Filosofias do Despertar, Vanguarda e Tradição

Archive for Dezembro, 2011

Metafísica & Iniciação

«A primeira função das sociedades iniciáticas consiste em acompanhar o demandador até à zona de Silêncio, onde se desenvolve o Ser e a Consciência não-dual. Devem ajudá-lo a encontrar o acesso ao Infinito, o Ponto de Vazio de certas tradições, que, de certa forma, evoca o Ponto Sublime de André Breton e dos Surrealistas, ou o lugar do Ser, o lugar do Coração, do cavaleiro André Michael de Ramsay. Esse Ponto é também “a Fina ponta da alma”, de Mestre Eckhart; o “Lugar de Deus” que vê o noûs descer no Coração, dos hesicastas bem como dos saint-martinianos; “o ponto sem medida”, do sistema shivaíta Trika. Esse “Lugar de Deus” em nós é também a “Câmara do Meio”, dos Maçons, é o acesso à “Câmara Alta”. Com efeito, ao Meio-dia como à Meia-noite, o Mestre Maçom está inscrito no eixo, no Silêncio do Ser, fora das representações pessoais.

(mais…)


Manifesto Incoerista alpha 17

MANIFESTO INCOERISTA
alpha 17

1.
O Incoerismo é uma força de criação vertical, livre manifestação da Esseidade, totalmente fora do ter e do fazer, unicamente orientada para a Absolutidade, nascida do Oceano do Silêncio e jorrada do Intervalo, como um génio demónico.

2.
O Incoerismo gera a Vida como Desempenho a partir duma postura de Despertar. Desempenho para se libertar até da própria libertação. Ou seja, é erguer o estandarte da perfeição dobrado dentro da imperfeição. O Gesto Absoluto reside na perfeição do gesto imperfeito.

3.
O Incoerismo é uma postura do corpo e do espírito contra todas as imposturas.

4.
O Incoerismo é a consciência acrescida, a consciência de intensidade, a consciência de intenção, a consciência de que “Eu sou” é o único criador, o único actor, o único encenador, o único realizador, o único espectador, do seu próprio espectáculo a que ele chama “mundo” mas que é apenas “onda”. Solipsismo total. Grande Jogo do “isso acontece” enquanto “Isso permanece”.

5.
O Incoerismo nota, na Pessoa, que o seu desejo de coerência global é a fonte da sua alienação. A história, a política, as ciências ditas humanas ou autoproclamadas exactas, as religiões constituídas, as artes estatuídas, são as patologias da Pessoa. O Ser é a única Coerência, fora de quaisquer coerências, e o Grande Nada mantém-se fora dessa e destas.

6.
Não existem valores universais, não há senão valores pessoais. A questão dos valores, fonte de todos os conflitos, internos ou externos, só se resolve com o desaparecimento da Pessoa.

7.
Estamos sob uma ditadura, subtil ou grosseira. Esta não teve a sua origem num hipotético e improvável exterior mas sim em nós mesmos. O nobre combate é pois interno e axial. As brigas externas e periféricas conduzem invariavelmente ao esgotamento. Não deixa de ser – ou torna-se ainda mais – necessário desenvolver uma verdadeira Arte da Guerra.

8.
O Incoerismo ajusta contas com o Tempo e com todos os tempos, a fim de navegar livre pelos mundos relativos, ao sabor do vento do Querer.

9.
A procura da transcendência da arte tem o seu apogeu na Demanda de uma Arte de Nada, Arte absoluta do Intervalo. Na encruzilhada da Beleza Absoluta, da Virilidade Absoluta, da Feminidade Absoluta, só o Inapreensível é Arte.

10.
O Incoerismo exige, clama, grava no Instante e no Sempre, o respeito e a celebração ilimitadas da  Feminidade Absoluta, essencial, universal, potência magnífica e face sublime do Real, o Eterno Feminino em todas as suas formas, divinamente humanas ou humanamente divinas, todas sofiais.

11.
Só os Mestres do Grande Nada conseguem reconhecer, na total plenitude do Ser, a subversão, o desvio e a reversão como caminhos do Intervalo. Aos malcriados e desajeitados, não resta senão a agitação egótica da Pessoa.

12.
O Incoerismo é a Ideia-Apreensão Apaixonada, o Lugar-Estado no ápice do Ser. Fulmínea Absolutidade.

“Eu Sou, A Vontade Absoluta”

“Eu Sou, A Liberdade Absoluta”

Rémi Boyer, in Poeiras de Absurdidade Sagrada, Zéfiro & Arcano Zero, Sintra, 2011.
www.zefiro.pt 


La Lettre du Crocodile

Leia gratuitamente a versão PDF (em francês / en français):

SOBRE A REVISTA

La Lettre du Crocodile [A Carta do Crocodilo] nasceu como um suplemento da revista L’Esprit des Choses, publicada pelo CIREM, Centre International de Recherches et d’Etudes Martinistes [Centro Internacional de Pesquisas e Estudos Martinistas]. Desde logo, afirmou-se como uma publicação com uma identidade própria, amplamente ultrapassando o quadro fixado inicialmente e ultrapassando o objecto e as competências do CIREM. Na La Lettre du Crocodile deve-se, com efeito, poder abordar qualquer assunto que toque, de perto ou de longe, os domínios da Maçonaria, dos movimentos religiosos, das tradições iniciáticas, das filosofias do despertar, das vanguardas e da arte.

Em Abril de 1996, o CIREM confiou então La Lettre du Crocodile a uma associação-irmã, independente, o CIRER, Centre International de Recherches et d’Etudes Rabelaisiennes [Centro Internacional de Pesquisas e Estudos Rabelaisianos]. Aqueles que se tenham interessado em profundidade na obra de Rabelais terão aí reconhecido mais particularmente a sua dimensão filosófica e hermetista, mas também o seu carácter libertário e rebelde. A escola de Rabelais é, portanto, uma indicação do estado de espírito no qual nós trabalhamos.

La Lettre du Crocodile (e o seu suplemento Le Crocodile en Intelligence) é difundida principalmente na Europa nas lojas maçónicas de todas as obediências, nos centros de pesquisas tradicionais de diversas correntes, nos centros de arte, nos movimentos de vanguardas e nos locais de leitura.